Segundo o saudoso Moacy Cirne, o quadrinho moderno não é só contemplação passiva, ou leitura morta, sem maiores consequências produtivas. O quadrinho moderno é um sonho que faz pensar. Que faz refletir. Que ajuda a compreender o mundo. O quadrinho moderno é uma travessia.

Corpo Fechado, quase 20 anos atrás, M. Night Shyamalan inaugurou e, agora com Vidro, encerrou o que pode ser um quadrinho live-action moderno. Um drama super-heroico produzido exclusivamente para o cinema, que subverte o senso comum tanto das versões em celulose quanto em celuloide, e te faz repensar os oceanos, os infinitos, os bilhões em chroma key duvidosos e piadas formulaicas.

No Os Escapistas de hoje¹, Luwig Sá, Reginaldo Yeoman, Mauro Ellovitch e o jornalista Marcelo Miranda discutem, numa visão quadrinizada, o mito do herói através dos personagens David Dunn, Elijah Price e Kevin Wendell Crumb; os méritos e poucos deméritos – será? – da Trilogia Corpo Fechado.

¹ Com introdução de Myrella Mendes e participação especial de Tammer Gomes.

***

Aperte o Play por sua conta e risco, porque esse podcast não é aprovado pelo Comic Code Authority.

***

E eis aqui suas opções:

Assine aqui Os Escapistas

iTunes

Spotify

Deezer

Google Podcasts

CastBox

DOWNLOAD

***

Citações & Indicações do Casting

***

Watchmen – Link Afiliado

Poder Supremo – Link Afiliado

Corpo Fechado [Blu-ray] – Link Afiliado

Fragmentado [DVD] – Link Afiliado

Vidro [DVD] – Link Afiliado

***

Quer ajudar na manutenção do podcast? Compre seus gibis ou qualquer coisa por nossos links afiliados

***

Dê seu feedback no Twitter ou escreva um e-mail para osescapistas@outlook.com

***

Link Afiliados:

2 thoughts on “Os Escapistas #09 – A TRILOGIA CORPO FECHADO

  1. Eu concordo com o Reginaldo sobre o vicio do Shyamalan de plot twists, acredito que ele poderia ter mostrado desde o inicio do filme a real função da doutora e deixar o grande plot twist do filme ligado ao Mr. Glass. Essa pequena inversão imagino que daria outra construção de expectativa e resolveria alguns pontos no meio do filme, criando uma tensão e suspense, e que viraram até o foco de críticas.

    A morte dos personagens acho bem interessantes que eles são derrotados exatamente por suas fraquezas: O Glass quebrado, o David afogado e a Besta por se permitir ser um humano simples. Rima bem com tudo que o diretor vem comentando ao longo da trilogia.

    Sobre os coadjuvantes, tem um momento que quando os três saem na porta do sanatório o Glass olha para eles e diz algo como “os protagonistas”, é uma fala sutil que eu mesmo só compreendi depois quando vemos a função deles na obra. E o Elisha dizer que é um filme de origem, me soou também como a origem desses protagonistas como um grupo que pode, quem sabe, começar um movimento contra a organização do Trevo de 3 folhas.

    No geral, gostou do filme e acho uma boa finalização da trilogia. Podia ser melhor? Podia, mas estou contente com o que foi feito. Parabéns também pelo podcast, bem conduzido o assunto de forma clara e compreensível, o que sabemos nem sempre é fácil quando se tem várias pessoas participando.

    Abraços.

    1. Perdão pela demora, Marcelo… e muito obrigado pelo feedback.

      Sobre a deixa dos coadjuvantes [“protagonistas”], como ouviu, ficamos bem divididos. Nem quando concordamos, concordamos com algo em uníssono. Eu, Luwig, prefiro que o Shayamalan se dê por satisfeito e não mude de ideia daqui a alguns anos. Gosto dos três, especialmente o Joseph, mas não acho que eles segurariam essa premissa revolucionária. Não sei. Na verdade, o que queria muito ver é um gibi com os anos perdidos de David, Elijah e Kevin, tomando como marco zero os créditos finais de Corpo Fechado.

      Abração.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *